Crítica: Mistborn: Nascidos da Bruma

quarta-feira, 14 de junho de 2017
Sanderson continua com a narrativa afiada mas coloca seus primeiros erros em ação na trilogia



Brandon Sanderson é, talvez, um dos autores que mais causam euforia nos grupos de leitura. Ele deve ser um dos grandes nomes da fantasia atual que vai perdurar alguns bons anos na memória dos leitores, e não é para menos. Após o lançamento do volume único de Elantris (que você pode conferir a crítica neste link), é pouco viciante para quem lê, querer continuar com a mesma qualidade de narrativa em suas próximas aventuras. Com uma proposta diferenciada, porém ainda no cenário da fantasia, a série Mistborn: Nascidos da Bruma tem muito ainda que nos surpreender.

De seu primeiro volume, O Imperial Final, ao último, O Herói das Eras, os cenários continuam os mesmos fisicamente, mas o enredo inteiro se transforma – o que dá uma idéia de cronologia um pouco diferente do que ocorre, na verdade. A impressão é que se passaram décadas entre um e outro, e não apenas um ano ou dois. Mas isto é apenas uma sensação. O Império Final traz como protagonista uma personagem feminina, Vin, que quebra todos os esteriótipos de donzela, princesa ou mais recentemente, de damas inteligentes e manipuladoras. Vin é simples: uma criança que cresceu entre ladrões, se precavendo do universo masculino, da nobreza, da confiança e da amizade. Porém, ela se descobre ser uma Nascida das Brumas, um dos pouquíssimos alomanticos com o poder de controlar todos os metais - assim como Kelsier, o líder da rebelião ska (digamos, os pobres) que luta contra a nobreza e o sistema criado pelo Senhor Soberano.  Mistborn é, portanto, pura lógica e magia. Em meio a todo este processo, há Elend Venture, filho de um nobre e herdeiro de uma das Casas mais influentes do Império, que é justamente o contrário de Vin no quesito de “quebra de esteriótipos): um grande cavalheiro, inteligente, charmoso, bonito, justo e bom.

Como o objetivo aqui não é dar spoilers, é preciso seguir sem contar nada que possa estragar a história para o leitor. Se você espera pelo óbvio, esqueça. Mistborn é cheio de “pegadinhas” que te jogam a outros pensamentos, afastando-o do verdadeiro fim. São diversos personagens e raças que possuem suas próprias histórias para contar e Sanderson consegue fazer com que todas elas se choquem em um final impressionante. Mas veja bem, impressionante não quer dizer excepcionalmente bom. A partir do segundo volume, O Poço da Ascensão, o autor começa a ditar o ritmo onde a magia é importante, mas a religião é quem comandará a série como um todo. Personagens chatos que poderiam muito bem nunca terem existido, estão ali. Outros tão bons parecem perdidos em um ar carregado de falsos cenários políticos e lutas. E apesar das coisas começarem a se encaixar, a mente do leitor divaga um pouco, acreditando que sua idéia original seria um final melhor, embora mais previsível.

Mistborn deixa claro que uma boa história com personagens mal desenvolvidos ou escritos podem ser um grande problema. Afinal, o que fazer quando você, leitor, acredita que apesar desses problemas o fim será muito, mas muito *demais*, e chega ao fim e diz: “Ah, nossa! Legal, mas precisava ser assim mesmo?”. Brandon Sanderson se empolgou muito e perdeu a mão na hora de encerrar a sua série com chave de ouro. Há opiniões diferentes, é claro. Muitos adoraram, outros nem tanto.

De fato, ele consegue entregar todas as pontas soltas dos três volumes, muito bem amarradas e acredito que, assim como no meu caso, o final te fará refletir em inúmeras outras coisas: religião, criação, universo, vida, morte, conhecimento, ignorância, poder, e sinônimos de tudo isso que nem sempre querem dizer a mesma coisa. Mistborn é bom? Sim. Vale a leitura? Claro. Mas ainda falta a mesma “sensibilidade” e o toque sutil aos personagens que foram tão bem criados em Elantris

Presente criativo para fãs de Game Of Thrones

sábado, 7 de janeiro de 2017
Depois de alguns anos de relacionamento, fica cada vez mais difícil você ter ideia de um presente criativo para aquela pessoa especial. Após várias pesquisas na internet, encontrei algo muito interessante: um kit Game Of Thrones totalmente personalizado. Para quem é fã da série, este é um presente incrível, mas tive que fazer algumas adaptações. A caixa original era para o Dia dos Namorados e consistia em ter pipoca e refrigerante, além de doces. Como queria preparar algo para o Natal e também algumas coisas mais especiais, substitui a pipoca e o refrigerante por roupas com a temática da série. 
O mais interessante no entanto, são os doces, que você pode colocar dentro de saquinhos personalizados com as Casas da série - cada um representado por um doce. Veja como preparei o meu kit e tudo o que você vai precisar para fazer o seu.

Escolhi cinco Casas, sendo que uma foi a minha própria - Lannister, Stark, Tyrell, Targaryen e Sabbag (a minha), com os seus devidos brasões (a da minha foi uma foto do nosso cachorro, Chewie). E escolhi doces que representassem estas Casas: moedas de ouro de chocolate para os Lannisters, garrafinhas de licor para os Starks, Fini (aqueles docinhos coloridos, tipo minhoca) para os Tyrell, 3 Kinder Ovo para os Targaryen, e pirulito de coração para a minha própria Casa. Peguei os brasões, baixei a fonte da série no meu computador e fiz uma montagem, no word mesmo, com fundo preto. Compre os doces, coloque nos saquinhos, recorte a impressão de forma que fique no tamanho ideal para fechar os sacos e feche com a fita dupla face. 

Então, para esta etapa, você precisará de: Criar a arte, imprimir em um papel mais duro,  tipo cartão, mas que seja maleável para dobrar; 5 saquinhos plásticos e fita dupla face.

Depois, fui ao shopping e comprei uma camiseta com o símbolo da Casa Stark e o escrito "Winter is comming" e como complemento, uma bermuda azul marinho. Dobrei e coloquei ambas no fundo da caixa de presente e com os saquinhos de doce em cima delas. 

Aqui você precisará de: caixa de presente média ou que caibam as peças de roupa dobrada.

Para finalizar pegue um papel celofane transparente para embrulhar, um laço maravilhoso e para dar o toque final, faça mais uma impressão de fundo preto com os dizeres "King of my heart", com a fonte da série, e passe com uma fita em volta do embrulho, de forma que fique bem de frente junto com o laço. 

Como você pode ver pelas fotos, é lindo, é criativo e ideal para dar de presente para quem você ama e é fã de Game Of Thrones! 

Kit pronto

Saquinho de doces finalizado representando as Casas escolhidas
Camiseta e bermuda dobradas na caixa de presente junto dos doces

Finish!
Está com dúvidas? É só comentar aqui que eu respondo! Mãos à obra!